Cardiopatias vs. COVID19

Doenças infectocontagiosas são tão antigas como a própria humanidade. Bactérias, fungos, vírus e outros micro patógenos são parte de nossa história desde que medicina e doenças têm sido registradas por diversos meios. Porque tanto sensacionalismo pelo COVID-19?

A primeira resposta que vem à nossa mente é os números de mortos que a mídia de forma diária, ostentosa e psicopatológica divulgam, sem nenhum critério de especificidade sobre o elemento próprio de cada óbito em particular. Paralelamente o elemento de percepção das pessoas fica bloqueado por não ter nenhuma referência real sobre a quantificação dos óbitos.

Para vocês terem uma ideia, em 2020 no Brasil, faleceram menos de 200.000 pessoas atribuídas ao Covid-19. No mesmo ano, morreram mais de 400.000 por doenças cardiovasculares. Fica então a pergunta: Porque temos mais medo ao COVID-19 que as CARDIOPATIAS?

Em Março de 2020, acadêmicos da Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery perguntaram: Porque as doenças cardiovasculares não são consideradas uma epidemia?

Percepção é a identificação como interpretação da informação sensorial. Toda percepção envolve sinais que passam pelo sistema nervoso, que por sua vez resultam em estimulação física e química do sistema sensorial. Como entendemos aqui, a reação de nosso sistema sensorial estará ligada com a compreensão da informação recebida. Pelo qual nós temos que perguntar: Qual é o grau de veracidade da informação recebida? Entendemos o tamanho e a realidade da mesma? A pessoa e a instituição que fornece a informação são confiáveis?

Quais são as intenções delas em informar, desinformar, aumentar ou diminuir algum assunto?

Pense nisso e veja se sua percepção está bem formatada.