Melissa officinalis

 

Planta da família das Lamináceas, a Melissa officinalis é de origem europeia e hoje é cultivada em dezenas de países do mundo, incluindo o Brasil. Seu nome popular difere conforme as regiões e países:Melissa, Lemon Balm, Sweet Balm, Toronjil, Limón de hoja, English Balm, Erva Cidreira e outros. 

 

As folhas deste arbusto são uma fonte natural de Caryophyllene, geraniol, hexenol, alfa e beta pineno, catechineno, neral, ácido clorogênico, hexenol, citronelal, copaeno, germacreno, ácido caféico, isoquercitrina, apigenina e ácido rosmarínico. (1)

 

A Melissa é significativa ainda pela importância do seu óleo essencial, o qual tem demonstrado eficácia nas áreas cosméticas, cosmiátricas e terapêuticas, sendo rico em Myrcene, Linalol, Camphor, Citronellol, β-Caryophyllene, Caryophyllene oxide, citral (isómero de neral e geranial) e a mistura de hidrocarbonetos alifáticos C 5 -C 28 (2). 

 

Existem dezenas de publicações acadêmicas sobre a Melissa officinalis em teste clínico, um deles realizado no Central Institute of Medicinal and Aromatic Plants em Uttar Pradesh, Índia, e publicado em novembro de 2015. A equipe de pesquisadores têm identificado os mecanismos de ação da Melissa no trato gastrointestinal, as atividades psiconeurológicas como: melhoras no desempenho cognitivo, estresse, estados de ansiedade e espasmos. (3) 

 

Seu potencial antivirótico em casos de Herpes simplex tem sido demonstrado em ensaios invitro, pré-clínicos e clínicos. (4) (5)

 

Por diferentes métodos, foi comprovada a real capacidade antioxidante da Melissa empregada na forma de Tisana, ou mediante utilização de seu óleo essencial. (6) (7) 

 

A linha Harome, para a oxidologia botânica, apresenta as folhas inteiras de Melissa desidratadas a baixa temperatura, em embalagem de 50 Gramas contendo um mínimo de 99% de partes ativas.