Passiflora incarnata 

 

O Maracujá é um arbusto da família das Passifloráceas, originário das Américas onde ainda é cultivada, particularmente a Passiflora edulis (amarelo). Ela é produzida no Brasil, Peru, Equador, Colômbia e Austrália para a indústria de sucos e alimentos (1). 

 

No contexto fitoterápico e antioxidante, as pesquisas acadêmicas (2) bem como diversos órgãos internacionais, incluindo a NIH & FDA (3) e a comunidade Européia (4), empregam a espécie Passiflora incarnata, por ser considerada uma fonte de princípios ativos significativos como harmalina, harmina, isovitexina e bensoflavonas. 

 

Na última década, pesquisadores do Estado de Oregon, nos EUA, têm dado particular ênfase em como, a Passiflora incarnata, induz correntes diretas de GABA para os  neurônios (5), sendo essa espécie uma das principais fontes vegetais da substância.

 

A literatura científica indica a Passiflora incarnata para o controle da ansiedade e também nas Desordens Generalizados da Ansiedade (GAD), na redução dos sintomas durante períodos de abstinência de diversos narcóticos, excitação nervosa, histeria, palpitações e nas Desordens do Déficit de Atenção e Hiperatividade (ADHD). (6)

 

Acadêmicos australianos realizaram uma pesquisa duplo-cega com placebo controlado empregando Passiflora incarnata como Chá de ervas (7), tendo como resultado um efeito positivo no relaxamento e na indução do sono.

 

Uma das melhores pesquisas científicas sobre Maracujá foi publicada em 2015, com autoria de Michael Traub ND, da Gaia Herbs. Temos a publicação num formato PDF, à disposição para ser enviada, caso seja explicitamente solicitada.

 

A linha Harome para a oxidologia botânica apresenta as folhas rasuradas de Maracujá “Passiflora incarnata”, desidratadas a baixa temperatura, numa embalagem contendo 50 gramas, contendo no mínimo 94% de partes ativas.